Na Câmara

Vereador José Galvão vota contra congratulação para o prefeito

Parlamentar disse que não irá “fazer média” com o chefe do Executivo

Parlamentar disse que não irá “fazer média” com o chefe do Executivo

O vereador Dr. José Galvão Moreira Filho (DEM) votou contra três moções
de congratulação apresentadas na sessão ordinária da última terça-feira
(26) na Câmara de Vereadores de Itu. As homenagens, de autoria de
Ricardo Giordani e Macruz, foram endereçadas ao prefeito Guilherme
Gazzola e o superintendente da CIS, Vincent Menu.
As congratulações foram propostas por conta da inauguração do novo
reservatório de água e por supostas ações de enfrentamento à falta
d’água na cidade. Galvão discorda. Ele comentou sobre casos de
desabastecimento em diversos bairros da cidade, além de que, em muitas
residências, a água tem vindo barrenta.
O parlamentar ainda disse que o atual governo não tem “amor por Itu” e
criticou as moções. “Dar voto de congratulação para fazer média com o
prefeito, eu não vou mais aprovar. Eu não estou aqui para fazer média
com o prefeito. Estou para exercer o meu mandato de vereador”, alegou.
“Não é um governo que me representa. E é por isso que hoje estou na
oposição. Não vim para fazer média com prefeito, para ficar dando voto
de congratulação de inauguração que nada mais é que obrigação. Ele foi
eleito e nós fomos eleitos para trabalhar para a população”, prosseguiu.
Apesar dos votos contrários de Galvão e Maria do Carmo Piunti (PSC), as
moções de congratulação foram aprovadas pela maioria dos vereadores.

Galvão é contra projeto que transfere responsabilidade da Prefeitura para o cidadão

Propositura apresentada pelo presidente da Câmara “cria dois tipos de
cidadão”, disse o vereador
O vereador Dr. José Galvão Moreira Filho (DEM) votou contra e criticou
um projeto de autoria do presidente da Câmara Municipal, o vereador
Givanildo Soares da Silva, que, em linhas gerais, transfere a
responsabilidade da poda e remoção de árvores que causem transtornos
da Prefeitura para o cidadão.
Galvão foi um dos três parlamentares contrários, juntamente com Wilson
da Farmácia e Maria do Carmo Piunti. De acordo com a proposta, o
munícipe ituano poderá contratar empresa especializada para retirada de
árvores que a Prefeitura não dá conta, onerando seu orçamento pessoal.
“Não podemos aprovar projetos nessa Casa de Leis que passem a
responsabilidade que é da Prefeitura para os munícipes”, disse o vereador
durante a discussão do projeto. Porém, mesmo com os apontamentos da
oposição, a proposta foi aprovada e vai para segunda discussão.
Galvão ainda apontou a diferença social que o projeto causará. “Eu chego
à conclusão que nós vamos criar com esse projeto dois tipos de cidadão
de Itu: aqueles que podem pagar vão lá, porque têm dinheiro e pagam; e
os que não têm, que também pagam imposto assim como aqueles que
têm dinheiro, têm que ficar esperando seis meses, um ano, o tempo que
for porque não tem condições”.

Vereador Galvão cobra transparência em obra da Praça da Matriz

Placa da “reforma” promovida não conta com número do processo
licitatório

O vereador Dr. José Galvão Moreira Filho (DEM) protocolou na Câmara
Municipal um requerimento cobrando transparência nas obras de
“reforma” da Praça Padre Miguel, a Praça da Matriz, no Centro de Itu.
Segundo o pedido, a placa da obra não aponta o número do processo
licitatório.
Ainda de acordo com o requerimento do vereador José Galvão, a placa
não conta com demais elementos que possibilite obter maiores
informações quanto aos detalhes do contrato através da seção
“Transparência Pública” no site da Prefeitura.
Por conta disso, Galvão solicita da Administração Municipal informações
como o número do processo licitatório, modalidade, situação, data e valor
total da obra. O requerimento ainda pede que a Prefeitura envie uma
cópia integral do contrato entre a municipalidade e a empresa contratada,
a fim de promover transparência de verdade.

José Galvão lamenta fechamento de empresas na cidade de Itu

Ao todo foram cerca de 200 demissões com o encerramento de atividades
de quatro negócios

O vereador Dr. José Galvão Moreira Filho (DEM) lamentou, na sessão
ordinária desta semana, o anúncio do fechamento de quatro empresas na
cidade de Itu. São elas: Nissin Brake (fabricante de freios automotivos),

TIM (loja da operadora celular), LATAM Travel (agência de viagens) e
Garford Transporte (prestadora de serviço da Eucatex)
A maior empresa é a Nissin, que está instalada na cidade desde 2008. “São
58 empregados de Itu que agora estão desempregados, no total 76
funcionários da Nissin, que está deixando Itu e vai ficar só com a matriz
em Manaus/AM”, disse o vereador.
O volume de demissões foi maior na Garford. “Ela atua no município de
Itu há dois anos e ontem (11 de fevereiro) demitiu 120 funcionários”,
informou o parlamentar, que obteve a informação através de um aluno da
ONG João de Barro, a qual é fundador.
Com pesar, Galvão – que recebe muitos currículos todas as semanas –

lamentou o fechamento das empresas e recordou o requerimento que fez
ao prefeito solicitando informações sobre as ações de fomento ao
emprego no município.
“O Poder Público tem que fazer essa gestão para poder realmente
fomentar o emprego. E fomentar o emprego não é só trazer indústrias
novas, abrir X alvarás no município”, apontou o vereador. “Fomentar o
emprego é uma política que o município tem que ter”.

Vereador José Galvão é contra fim da entonação do hino de Itu nas sessões

Para o parlamentar, o hino é um ato de cidadania

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para o parlamentar, o hino é um ato de cidadania
Na sessão da última terça-feira, dia 12 de fevereiro, a Câmara de
Vereadores de Itu votou o projeto de resolução nº 2/2019 que promove
alterações na votação para adequar ao novo sistema de painel eletrônico,
mas também coloca a entonação do Hino de Itu – que hoje ocorre em
todas as sessões – a critério do presidente.
O vereador Dr. José Galvão Moreira Filho (DEM) se posicionou contra a
propositura por conta dessa “subjetividade” quanto a entonação da
canção. “Ele (presidente) pode entoar o Hino de Itu ou não”, declarou. “Eu
acredito que essa Casa de Leis, que é guardiã das leis do município,
deveria dar o exemplo”.
“O Hino de Itu é um ato de cidadania uma forma de nós enaltecermos o
nosso município, é uma forma de nós darmos o exemplo como
Legislativo”, prosseguiu o vereador, que acredita que a execução do hino
“é importante sim, por mais que alguns nobres colegas achem que seja
cansativo”, colocando que “é uma forma de nós demonstrarmos o nosso
amor a Itu”.
Galvão também lembrou que, nesta legislatura, uma comissão de estudos
para reforma do regimento interno manteve a entonação do Hino de Itu
nas sessões. “Hino maravilhoso, que conta a pujança da história de Itu”,
contou o parlamentar, que votou contra juntamente com o vereador
Wilson da Farmácia (SD), mas foram votos vencidos.
Com letra do professor José Luiz de Oliveira e música do maestro Roberto
Manzo, da cidade de Santo André/SP, o Hino de Itu foi composto na
década de 1980 através de concursos promovidos pela Prefeitura e, até
hoje, eleva o nome do município ituano através de suas belas estrofes.

 

Vereador José Galvão vota conta projeto do filé à parmegiana

Segundo parlamentar, faltou participação popular e agora não é o
momento de se aprovar um projeto desse

Na sessão desta semana, foi votado o polêmico projeto de lei de autoria
do vereador e presidente da Câmara de Itu, Givanildo Soares (PROS), que
torna o filé à parmegiana patrimônio cultural imaterial da cidade. O
vereador Dr. José Galvão Moreira Filho (DEM), juntamente com a
vereadora Maria do Carmo Thomaz Piunti (PSC), votou contra.
Segundo Galvão, a parmegiana não é um prato popular, pois custa em
média R$ 110, e não é típico da cidade, já que tem origem italiana. O
vereador reconheceu a fama do prato e compreendeu o projeto, porém,
em consulta ao seu grupo político, declarou voto contrário. “É importante
consultar as pessoas que participam do meu mandato”, disse.
E a falta de participação popular foi determinante para a decisão de
Galvão. “O projeto é bom, mas poderia ter sido discutido mais com a
comunidade, com o Conselho da Cultura, feito um debate. Trazer a
população para participar”, declarou. “Nós estamos perdendo esse
contato com a população”.
Galvão também comentou sobre momento que a cidade passa, com
diversos problemas na área da saúde e déficit na geração de empregos. “É
a mensagem que a gente passa aos eleitores. Não é porque deu
repercussão no Facebook, mas é a postura dessa Casa neste momento.
Não é ser pessimista, não é ser negativo, mas é ser realista. E quem tenta
omitir isso, foge da realidade. Nós temos dificuldades no município”.
Durante sua fala, Galvão foi interrompido pelo presidente da Câmara,
sendo ameaçado de ter a palavra cassada por “fugir do projeto”. O
vereador então respondeu, dizendo que Giva tem conduzido os trabalhos
com “dois pesos e duas medidas” com a oposição. “Ninguém é mais do
que ninguém. E ninguém vai cercear as prerrogativas que são
constitucionais e cada vereador tem”.

Inscrições para concurso de caricaturas começam na próxima segunda-feira em Itu

A partir da próxima segunda-feira (11/02) estarão abertas as inscrições gratuitas para o Concurso de Caricaturas “Professor Pery Guarany Blackman”, realizado pela Prefeitura de Itu, por meio da Secretaria Municipal de Cultura.

Cada participante poderá enviar até três caricaturas, que serão selecionadas e premiadas por uma comissão julgadora composta por uma curadoria convidada especificamente para o concurso, e que serão avaliadas pela criatividade, originalidade, traçado e impacto visual. Os três melhores trabalhos serão declarados vencedores.

As inscrições, assim como a consulta ao regulamento, poderão ser realizadas no site www.itu.sp.gov.br, no link inscrições, até às 23h59 do dia 11 de março de 2019. Informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 4886-9747 ou pelo email cultura@itu.sp.gov.br.

A exposição dos trabalhos está prevista para ocorrer entre os dias 19 de março e 10 de abril de 2019.

Foto: Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal de Itu

Vereador José Galvão é contra construção de novo prédio da Câmara

Segundo o parlamentar, a cidade de Itu tem outras prioridades, como a saúde e geração de empregos

O vereador Dr. José Galvão Moreira Filho (DEM) se posicionou contra a construção de um novo prédio para abrigar a Câmara Municipal de Vereadores de Itu, medida proposta pelo atual presidente do Legislativo, Givanildo Soares da Silva, o Giva (PROS). De acordo com Galvão, a cidade tem outras prioridades no momento.

Agora é o momento de unir forças, de fazer economia, para que o governo possa atender pelo menos uma das prioridades do município”, alega o vereador. Entre as prioridades elencadas por Galvão estão a saúde, a geração de empregos e a infraestrutura urbana. “Os bairros estão abandonados, são muitos buracos e emendas no asfalto”.

Além disso, há demandas na área da educação. “Será que esse dinheiro não daria para construir uma escola de tempo integral ou uma creche? Nós estamos com muita demanda de falta de vagas em creche”, justifica o vereador, que foi presidente do Legislativo ituano em 2017.

Naquele ano, Galvão devolveu aos cofres públicos mais de R$ 1,5 milhão no fim de seu mandato e, no início da legislatura, com apoio de todos os vereadores, diminuiu R$ 8 milhões do orçamento da Câmara. Na oportunidade, o vereador pediu que a Prefeitura investisse o dinheiro nas áreas da saúde e da educação.

Vereador José Galvão é um dos mais atuantes na Câmara em 2018

Parlamentar apresentou mais de 100 indicações reivindicando melhorias em diversos bairros

O vereador Dr. José Galvão Moreira Filho (DEM) foi um dos mais atuantes parlamentares da Câmara Municipal de Vereadores de Itu. Ao todo, ele apresentou mais de 300 proposituras, entre projetos de lei, moções e indicações. O último quesito merece destaque, já que Galvão cobrou do prefeito municipal mais de 100 melhorias em diversos bairros.

Foram ao todo 117 pedidos de diversas reivindicações de moradores ituanos, como tapa buraco, poda de árvore, retirada de lixo e entulho, colocação de tampa de bueiro e uma das mais importantes solicitações: a reforma da bica d’água da Vila Santa Terezinha, que está completamente abandonada pela prefeitura da cidade.

Galvão ainda protocolou 195 moções de congratulação e pesar, honrando diversos ituanos que, em suas áreas de atuação, demonstraram empenho para tornar Itu uma cidade melhor. O vereador também é autor de oito projetos de lei, dentre eles um de suma importância: o PL nº 89/2018, que foi aprovado por unanimidade e promulgado – ou seja, já virou lei.

Com a proposta de Galvão, as empresas de telefonia e internet que operam na cidade devem retirar fios inutilizados que ficam presos e pendurados em postes. A medida busca melhorar a questão estética das ruas ituanas, além de dar maior segurança aos transeuntes.

O vereador ainda apresentou projetos de denominação de vias públicas, de decreto de utilidade pública e requerimentos como o que cobra da prefeitura esclarecimentos sobre a diminuição na geração de empregos. Para 2019, Galvão manterá sua postura fiscalizadora pensando em uma Itu melhor para todos.

Vereador José Galvão vota contra projeto que aumenta secretarias

Parlamentar criticou pressa para aprovação da reforma administrativa, que tinha mais de 350 páginas

O vereador Dr. José Galvão Moreira Filho (DEM) foi um dos parlamentares que votaram contra o projeto de lei nº 121/2018, que dispõe sobre a estrutura organizacional da prefeitura de Itu e ficou conhecido como “Reforma Administrativa”. Voto vencido, o vereador justificou que o projeto teve pouco tempo para ser estudado.

Para Galvão, o projeto de 357 páginas foi votado no “afogadilho” e não justificava tamanha urgência. “O Executivo merece realmente ser parabenizado por este vereador, porque mais uma vez deixa claro que a marca desse governo é a falta de comunicação com todos os setores”, disse ele, que solicitou o adiamento da proposta – o que não ocorreu.

O parlamentar destacou a importância do projeto, mas criticou a forma que foi colocado, desmerecendo o Poder Legislativo. Entre as medidas da propositura está, entre outras, a mudança de nome secretarias, a criação do cargo de secretário adjunto e de duas novas secretarias: a de Comunicação e a de Emprego.

Galvão criticou a criação de mais pastas. “Não acredito que inchando a prefeitura nós vamos ter uma melhoria”, apontou, comparando com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que diminuiu ministérios. Ele destacou que, sim, o projeto diminui cargos comissionados, porém aumenta a remuneração de alguns – não sendo justo com outras categorias.

O vereador também fez críticas ao fato de o projeto incluir reformas de carreira na Guarda Civil, promotoria e saúde. “O funcionalismo público municipal não pode, ontem, hoje e sempre, ser massa de manobra. Todas as vezes quem perde é o funcionalismo público concursado”, afirmou de maneira enérgica. O projeto acabou aprovado por 7 votos a 4.